sexta-feira, 17 de Junho de 2011

Gustav Theodor Fechner (1801-1887)

Resumo
Poeta, fisiologista, físico, psicofísico, as suas principais obras são “Zend Avesta: oder über die Dinge und dês Himmels Jenseits dês” (1851) e Elemente der Psychophysik (1860). Gustav Theodor Fechner é considerado um dos grandes intervenientes na construção da história da Psicologia. O seu principal contributo ao mundo da Psicologia foi a Psicofísica que deu origem à Psicologia Experimental.

Palavras Chave: Lei de Fechner, Psicofisica, Estimulo/Sensação

Introdução
No âmbito da disciplina de Fundamentos da Psicologia, leccionada pela Professora Doutora Liliana Araújo, o presente relatório explora a biografia – o homem, a obra e os contributos - de Gustav Theodor Fechner.
Neste trabalho, pretende-se demonstrar através das observações, experiências e investigações realizadas a sua contribuição para o nascimento da Psicologia como Ciência.
Nasceu e cresceu no contexto do mundo rural do sudoeste Alemão do início do século XIX, sendo fortemente influenciado pela exactidão científica como pelo humanismo.
Toda a sua actividade profissional foi na Universidade de Leipzig onde desenvolveu várias áreas de conhecimento, desde do campo da fisiologia, da medicina, da física, da psicofísica, da estética experimental até à filosofia. Todavia, aquela em que se destacou foi precisamente a Psicofísica, após ter descoberto, através da sua fórmula fundamental, a relação quantitativa entre mente e corpo. Desenvolveu os conceitos do limiar absoluto e do limiar diferencial, essenciais para o progresso da Psicofísica.
Morreu em 1887, deixando um enorme legado para edificação da Psicologia como ciência, influênciando as investigações até aos dias de hoje nos diversos dominios da mesma, nomeadamente da Psicologia Exprimental.

1. O Homem

Gustav Theodor Fechner, nasceu em 1801 em Gross Särchen- baixa Lusatia, filho de um pastor Luterano e com apenas 5 anos mostra o seu brilhantismo aprendendo Latim. A 22 de Outubro de 1850 surgem-lhe as primeiras ideias acerca da medição estimulo-sensação, e com base nos estudos de Weber, formula a Lei de Fechner, funda a Psicofísica e torna- se um marco no surgimento da Psicologia como ciência.
Logo desde muito cedo entra em desacordo com a abordagem científica da época, criou um conceito ao qual chamou “visão diurna” onde o universo era observado do ponto de vista da consciência e que se opunha à ideia de “visão noturna” onde tudo era considerado matéria inerte. .
A sua primeira educação foi em Sorau. Em 1817 ingressou na Universidade de Leipzig onde estudou na Medizinisch-Chirurgische Akademie recebendo em 1822 o seu diploma de médico, porém decide não exercer. Paralelamente, criou uma personagem alternativa sob pseudónimo de Dr. Mises, e publica entre 1821 e 1876 varias obras satíricas e peças humorísticas, através das quais satirizava as tendências da ciência, da medicina e da sociedade materialista da época. Estes textos evidenciam um lado diferente mas essencial da sua personalidade. .
Embora formado em ciências biológicas, o seu foco de interesse direcciona-se para a matemática e a física, elaborando pesquisas com importantes contribuições no desenvolvimento da electricidade, área totalmente desconhecida nesta altura.
Casa-se em 1833 e em 1834, devido ao seu trabalho já desenvolvido, é nomeado professor de Física na Universidade de Leipzig, onde é considerado um matemático e físico brilhante .
Em 1839 desenvolve pesquisas na área de imagens pós visuais ou persistentes, estudando o fenómeno no qual um indivíduo após olhar para a luz do sol continua a visualizar uma intensa claridade. Sendo ele um dos pesquisadores in loco, contrai sérios problemas de saude, prejudicando a vista, o que o obrigou a desistir de leccionar na Universidade. .
Após vários anos de sofrimento físico (possibilidade de cegueira) e mental (neuroses seguidas de depressões) que resultaram numa grave crise a nível pessoal, começou em 1842 a recuperar e virou as suas atenções para questões psicológicas e religiosas.
Desenvolveu o seu interesse pela sensação, a relação da mente com o corpo, e pelo Panpsiquismo . Para G.T.Fechner o corpo e a mente não seriam realidades opostas mas sim características de uma mesma realidade essencial.
"O grande G.T.Fechner", como Freud o chamava, regressou à sua vida académica, Leipzig, desta vez como professor de filosofia em 1848. No seguimento desta sua nova fase, estabeleceu os fundamentos da psicofísica, postulando a lei de Weber-Fechner.
Em 1851 surge um dos seus principais trabalhos “Zend Avesta: oder über die Dinge und dês Himmels Jenseits dês” e em 1860, procura demonstrar que o psíquico e o físico são dois aspectos da mesma realidade e apresenta a sua obra Elemente der Psychophysik (1860) onde descreve a relação existente entre a quantidade de estimulo e a intensidade da sensação. .
Adepto do pensamento monista , Fechner afirma que os factos corporais e os factos do consciente, embora não redutíveis, são lados diferentes de uma mesma realidade. A sua originalidade está na tentativa de descobrir uma relação matemática exacta entre eles. Daqui resulta uma das suas investigações mais famosas, a Lei de Weber-Fechner: a intensidade de uma sensação aumenta em progressão aritmética e o estímulo correspondente aumenta em progressão geométrica. Este é hoje um dos princípios básicos da percepção.
Gustav Theodor Fechner, ao publicar a sua obra “Elemente der Psychophysik” (1860), fica conhecido como o pai da Psicofísica, lançando assim as bases para a fundação da Psicologia Experimental. .
Embora nunca tenha perdido o seu interesse pelo estudo do corpo e da mente, em 1865, dedicou-se à estética experimental , e em 1876 publicou um livro intitulado Vorschule der Aesthetik . .
Morre em Leipzig, em 18 de Novembro de 1887.


1.2. Obras manuscritas.
• 1823 - Praemissae ad theoriam organismi generalem (Teoria geral do organismo)
• 1824 - Stapelia Mixta
• 1829 - Resultate der bis jetzt unternommenen Pflanzenanalysen. (Resultados de análises de plantas até à data)
• 1831 - Maassbestimmungen über die galvanische Kette. (O dia da galvanize de Maassbestimmungen em Kette).
• 1832 - sob o pseudónimo de Dr. Mises Schutzmittel für die Cholera. (Inibidores de Cólera)
• 1832 - Repertorium der Experimentalphysik.(Repertório de Física Experimental - 3 vol.)
• 1834-1838 - Das Hauslexicon. Vollständiges Handbuch praktischer Lebenskenntnisse für alle Stände. (O Hauslexicon. Guia completo de habilidades para a vida prática para todas as classes - 8 vol).
• 1836 - Das Büchlein vom Leben nach dem Tode. (O pequeno Livro da Vida após a Morte)
• 1841 - sob o pseudónimo de Dr. Mises Gedichte. (Poemas)
• 1846 - Ueber das höchste Gut. (Sobre o Bem Maior)
• 1848 - Nanna oder über das Seelenleben der Pflanzen (Nanna ou a Sobre a vida psíquica das plantas)
• 1851 - Zend Avesta: oder über die Dinge und dês Himmels Jenseits des (Zend Avesta: sobre as coisas do céu e da vida após a morte )
• 1855 - Ueber die physikalische und philosophische Atomenlehre. (Na teoria da física e filosófica dos átomos)
• 1856 - Professor Schleiden und der Mond. (Professor Schleiden sobre a Lua)
• 1860 - Elemente Psychophysik (1860) (Elementos da Psicofisica)
• 1861 - Ueber die Seelenfrage.(Sobre a Alma)
• 1863 - Die drei Motive und Gründe des Glaubens. (Os três motivos da Razão e Fé)
• 1873 - Einige Ideen zur Schöpfungs und Entwickelungsgeschichte der Organismen . (Algumas ideias para a criação e história do desenvolvimento dos organismos.)
• 1875 - Sob o pseudónimo de Dr. Mises: “Kleine Schriften”. (“Fontes Pequenas”)
• 1876 - Erinnerungen an die letzen Tage der Odlehre und ihres Urhebers.(Memórias do último dia de Odlehre e seu autor)
• 1876 - Vorschule der Aesthetik. (Pré-Escolar de Estética)
• 1876 - In Sachen der Psychophysik. (Em termos da Psicofísica)
• 1879 - Die Tagesansicht gegenüber der Nachtansicht.(Da Visão Diurna à Visão Nocturna)
• 1882 - Manuscreve o livro Revision der Hauptuncte der Psychophysik onde faz uma revisão dos vários elementos constituintes da Psicofísica. (Revisão da Psicofísica)
• 1887 - Kollektiv Messlehre que após a sua morte é completo e editado por G.F. Lipps. (Bitola Colectiva)

2. A Obra

2.1. A Fórmula Weber- Fechner
2.1.1. Contexto
As questões colocadas acerca da natureza e comportamento humano, que remontam ao Século V, são praticamente as mesmas que hoje em dia. Há cerca de 200 anos surge a psicologia moderna, onde as questões colocadas são as mesmas, mas a abordagem e as técnicas empregues são diferentes e marcam o aparecimento da psicologia como um campo de estudo independente e essencialmente científico. (Schultz & Schultz, 2007, pp. 1 e 2) .
Aqui a importância do trabalho de Fechner é essencial, visto que, através do seu trabalho empírico e da sua famosa fórmula, dará um enorme contributo para uma psicologia verdadeiramente científica a ser constituída no final do século XIX, concebendo o primeiro método sistémico e racional de medida mental. (Lasswitz, 1896)


2.1.2.Princípios Filosóficos da Fórmula
A base do seu interesse na medição mental foi de longe mais metafísica do que cientifica. Influenciado pelo panpsiquismo e recusando o dualismo cartesiano da mente separada do corpo, como referido anteriormente, Fechner adoptou como filosofia para o seu trabalho o aspecto dual-monistico no qual a mente e o corpo são dois aspectos de uma única realidade, o físico e o psíquico. Uma vez estabelecidas as duas faces da natureza, surge uma nova questão: qual a relação funcional que existe entre os aspectos físicos e os aspectos mentais? A partir desta questão, Fechner elaborou o programa da psicofísica. .
No seu livro Elemente der Psychophysik, Vol I, afirma: “No início, a tarefa não se apresentava como uma missão de encontrar uma unidade para a medição da mente, era mais uma pesquisa para encontrar a relação funcional entre estímulo e percepção”. (Fechner, 1860, pp.445) O trabalho de Fechner completou o trabalho já desenvolvido por Weber, que afirmava que a menor diferença perceptível entre dois estímulos aumenta linearmente com o valor do estímulo de referência. No capítulo VII do Iº volume do seu Elemente der Psychophysik Fechner faz referência à necessidade de ultrapassar os limites da fórmula do limiar sensorial de Weber afirma: “...De facto uma lei deste género fornecerá uma fórmula diferente, através da qual poderá derivar uma fórmula integral que vai conter a expressão da medição das percepções sensoriais. Este é um ponto de vista fundamental, no qual a lei de Weber, com as suas limitações, aparece não tanto a limitar a aplicação da medição psíquica mas mais como uma restrição na aplicação do seu próprio objectivo, além da qual a aplicação geral do princípio da medição psíquica é perfeitamente válida (…) Não se trata do facto que a validade do princípio depende da lei de Weber mas do facto que a aplicação da lei é envolvida no princípio (…) Podemos perguntar-nos até que ponto a lei de Weber é aplicável e até que ponto não, porque mesmo onde a lei de Weber não é aplicável, os métodos de medição psíquica são.” (Fechner, 1860, pp.559)
O contributo de Fechner foi o de reconhecer que mesmo a própria diferença perceptível nas sensações podia ser de facto a unidade de medida da sensação. Isto é, a magnitude da sensação pode ser medida em relação com a escala da intensidade física. Assim, notou que uma mínima diferença na percepção necessita de uma pequena mudança nos níveis baixos de um estímulo, mas, que a medida na qual a intensidade do estímulo aumenta, as mudanças perceptivas são maiores, visto que, a proporção entre a mudança de intensidade e o nível de percepção é uma constante para qualquer mínima diferença dada. Juntando estas observações experimentais primárias com o pressuposto no qual estabeleceu um nível mínimo da intensidade – o “ limen” – para o valor 0, chegou à conclusão que a intensidade da sensação é igual a uma constante vezes o logaritmo da intensidade do estímulo. Segundo as suas palavras: "A sensação varia com o logaritmo da excitação".(Fechner, 1860, pp.559) .
Esta conclusão de Fechner fez com que a lei limiar de Weber se tornasse válida para os valores extremos do estímulo.



>2.1.3. A Relação Quantitativa entre Mente e Corpo
Fechner afirmou ser possível encontrar uma ligação entre o corpo e a mente na relação quantitativa entre a sensação mental e o estimulo material, ao alegar que o aumento na intensidade do estimulo não produzia um aumento com a mesma proporção na intensidade da sensação, mas pelo contrário, a progressão geométrica caracteriza o estimulo, enquanto que, a progressão aritmética caracteriza a sensação.
Assim, a dimensão da sensação depende da quantidade de estímulos, e embora este conceito estivesse bem claro para Fechner, era necessário medir com precisão o que é objectivo e o que é subjectivo, ou seja, o estímulo físico e a sensação mental. Não é difícil medir o estímulo físico, mas o mesmo já não acontece quando se tentam medir as expêriencias conscientes que dele advêm. Para medir as sensações, Fechner afirma que é necessário determinar se o estimulo esta presente ou não, se foi sentido ou não, e medir a intensidade do estimulo na qual as pessoas relatam a primeira sensação apresentando assim o limiar absoluto, ou seja, o ponto de sensibilidade abaixo do qual a sensação não é percebida e acima do qual é sentida.
Uma vez que este limiar é limitado (só pode determinar o valor do nível mais baixo da sensação), Fechner necessitou de introduzir um outro conceito, a que chamou de limiar diferencial da sensibilidade, que é a quantidade mínima de alteração no estímulo que provoca uma mudança na sensação.(Schultz & Schultz, 2007,pp.70, 71)


No link que se segue encontram um exemplo sonoro da experiência de Fechner, mas o estímulo funciona ao contrário, ou seja, os sons não são acrescentados e sim retirados.
http://seawitchery.tumblr.com/post/4070384205/i-started-out-clicking-strategically-and-by-the

2.1.4. A fórmula matemática
Fechner desenvolveu duas fórmulas: a fórmula fundamental e a fórmula de medição.
a) A fórmula fundamental: “A fórmula fundamental não pressupõe a medição da sensação, ela simplesmente exprime a relação entre o aumento de estímulos relativamente pequenos e o aumento da resposta sensorial. Em resumo, não é mais de que a lei de Weber associada a princípios e símbolos matemáticos.


Consideremos:
- b o estimulo aumentado
- dβ o valor do pequeno aumento do estimulo (a letra d não é considerada a magnitude do estimulo, simplesmente consideremos dβ o pequeno estimulo acrescentado)
- dβ/β o estimulo relativo aumentado
- γ a sensação dependente do estimulo β
- dγ o pequeno estimulo da sensação (a letra d não é considerada a magnitude do acrescimento da sensação, simplesmente dγ expressa o pequeno aumento da percepção)

Se dβ e dγ são consideradas unidades arbitrarias das suas próprias naturezas e as variações delas mantêm-se proporcionais quando o valor do estimulo é pequeno(dβ/β) e dγ mantém-se constante (cf. A Lei de Weber) então

dγ=Kdβ/β

onde K é uma constante que depende das unidades seleccionadas para γ e β

Ou seja, se multiplicamos dβ e β com qualquer numero igual, a proporção mantém-se constante e com ela também a diferença da sensação.” (Fechner, 1860, pp.567)



b) A fórmula de medição
Fechner observou que a relação entre o acréscimo de dγ e dβ na fórmula fundamental corresponde à relação matemática que existe entre o aumento de um logaritmo e o aumento do seu número correspondente. O aumento entre os logaritmos tem o mesmo valor quando o aumento relativo dos seus números é igual (Tabela 1). Aplicando esta relação à medição das respostas sensoriais escreveu:
“Na fórmula de medição existe uma relação de dependência entre o estímulo fundamental e o tamanho da sensação correspondente, e não uma que é valida só para o caso das sensações iguais. Isto permite o cálculo do valor quantitativo da sensação a partir do cálculo dos valores quantitativos relativos dos estímulos fundamentais, obtendo assim uma medição para as sensações.
γ = K(logβ - logb)
Onde b é uma segunda constante que se aplica ao valor limite da intensidade do estímulo, além do qual a resposta sensorial γ (a sensação) começa a desaparecer. Aplicando a lei matemática que demonstra que a diferença entre dois números pode ser substituída pela diferença entre os logaritmos, chegamos à seguinte fórmula:
γ = k(log β/b)” (Fechner, 1860, pp.567)
Esta fórmula é mais útil para realizar as conclusões referentes à relação entre um estímulo e a sua percepção. Fechner conclui: “A magnitude da sensação (γ) não é proporcional com o valor absoluto do estímulo (β), mas com o logaritmo da magnitude dos estímulos, quando a última é expressa em termos de limites além dos quais a sensação começa a desaparecer, ou seja, é proporcional ao logaritmo do valor do estímulo fundamental. De acordo com a demonstração feita, a fórmula pode ser aplicada nos seguintes casos:
1. No caso de igualdade - a diferença de percepção mantém-se quando a intensidade absoluta do estímulo é alterada (a lei de Weber). 2. No caso dos limites - a própria sensação pára de ser sentida quando a mudança do estímulo se torna imperceptível ou quase imperceptível. 3. No caso das sensações conscientes e inconscientes – sensações que nascem por cima dos limites do consciente e aquelas que não chegam até lá.Com estes princípios acima demonstrados a fórmula pode ser considerada correcta.” (Fechner, 1860, pp.567)

2.2. Psicofísica
A descoberta de Fechner da relação entre mente e corpo, faz surgir uma nova disciplina: a psicofísica. Esta nova disciplina nas palavras de Fechner “…deve ser entendida como a teoria exacta das relações funcionalmente dependentes do corpo e da alma…” (Schultz & Schultz, 2007, pp.73) A publicação de Elemente der Psychophysik influenciou de forma notável e orientou vários investigadores em diversas áreas. A palavra psicofísica, no seu sentido mais primitivo, designa a nova ciência que Fechner fundou e que resultou de um longo trabalho que incluía experiencias com levantamentos de pesos, a percepção visual do brilho, a noção de distância visual e de distância táctil.
2.2.1. Métodos Psicofísicos
Fechner descreveu três métodos clássicos utilizados, até hoje, em medidas do limiar absoluto e do limiar diferencial: método do ajuste ou de erro médio, método dos limites e método dos estímulos constantes.
No método do ajuste, o sujeito testado detém controlo directo sobre a variação da intensidade de estimulação depois de várias tentativas, o valor médio das diferenças entre o estímulo padrão e o ajuste feito pelo sujeito para o estímulo variável representa o erro de observação. Esta técnica é num sentido mais amplo, o princípio básico de muitas das pesquisas psicológicas, já que qualquer cálculo de média envolve essencialmente o método do erro médio. (Schultz & Schultz, 2007, pp.72)
No método dos limites, o limite é avaliado de forma indirecta, visto que o sujeito não tem controlo sobre a intensidade do estímulo. São apresentados dois estímulos, e um deles é aumentado ou reduzido até que o sujeito relate ter notado a diferença. Os dados são obtidos por meio de várias tentativas e somente as diferenças mínimas perceptíveis são consideradas para calcular a média e determinar o limiar diferencial. (Schultz & Schultz, 2007, pp.73)
Em relação ao método dos estímulos constantes, envolve também dois estímulos, mas agora constantes e tem como objectivo medir a diferença de estímulo necessária para produzir uma proporção específica de julgamentos correctos. (Schultz & Schultz, 2007, pp.72)
2.2.2. Psicofísica interna e psicofísica externa
Fechner divide o mundo corporal em mundo interno ou fisiológico e mundo externo ou físico, ao fazer esta distinção determina duas partes na psicofísica: a psicofísica interna e a psicofísica externa.
A psicofísica interna tem como objecto o estudo das relações da alma com o corpo ao qual está directamente ligada, portanto, refere-se à relação entre a sensação e a consequente reacção cerebral e nervosa.
A psicofísica externa tem como objecto o estudo das relações da alma com o mundo físico, ou seja, a relação entre o estímulo e a intensidade subjectiva da sensação.
Na época, Fechner não conseguiu medir com precisão os processos psicológicos da psicofísica interna e optou por lidar com a psicofísica externa. (Schultz & Schultz, 2007, pp.73)

3. A Herança

Ao longo do tempo, a pesquisa de Fechner e as suas ideias foram fonte de inspiração para muitos investigadores de várias áreas. A sua descoberta no campo de medição das percepções foi desenvolvida e aperfeiçoada por outros cientistas modernos sendo, hoje em dia, perfeitamente aplicável em várias áreas científicas:
3.1. Psicanálise
Fechner realizou estudos sobre o inconsciente e, embora aceitasse a noção de limiar, foi a sua analogia entre a mente e o iceberg que provocou maior impacto em Sigmund Freud. Fechner afirmava que grande parte da mente situa se sob superfície e é influenciada por forças não-observáveis, tal como, a maior porção de um iceberg. Nas cartas que escreveu a um amigo da juventude, Freud contava que, no fim da sua adolecência e já por volta dos 20 anos, gostava de ler as obras satíricas de um tal de Dr. Mises. (Boehlich, 1990)
Nos seus textos A Interpretação dos Sonhos (1900), Conferências de introdução à psicanálise (1916-17), Além do princípio do prazer (1920) e O problema económico do masoquismo (1924), Freud fez varias referências à obra Elemente der Psychophysik, usando-a como fonte para a elaboração de alguns dos seus conceitos, tais como, o princípio de prazer, o da energia psíquica ou o da agressão.
Bernd Nitzschke reafirma esta influência e Ellenberger conclui que uma grande parte da estrutura teórica da psicanálise não viria a existir se não fossem as especulações do grande Fechner.
3.2. Desenvolvimento Posterior da Fórmula
Embora a fórmula de Fechner possa ser considerada correcta, ao longo do tempo mostrou ser inflexível. Nos anos 50 do século passado S. Stevens pensou na possibilidade de uma escala interior de medição mais como uma função de potência do que como um logaritmo. Stevens desenvolveu a fórmula de Fechner introduzindo mais um parâmetro, relacionando directamente entre si, o sensorial (a resposta) e o físico (o estímulo), que são registados em simultâneo no seu método, introduzindo assim, a função da potência.
Uma vez enriquecida com o desenvolvimento de Stevens, a psicofísica tornou-se útil para descrever os resultados das experiências que se referem à ligação existente entre intensidade do estímulo e a resposta objectiva.
Como já foi referido, tanto Fechner como Weber focaram os seus objectivos em encontrar um algoritmo matemático para descrever como a continuidade das sensações (ex.:o volume do som ou a duração) é representada dentro da mente.
Neste contexto, também foi relevante o contributo de Shepard que introduziu o escalonamento multidimensional como um meio de estimar, a priori, a organização geométrica da continuidade das percepções. Stevens e Shepard mostraram através do seu trabalho que, mesmo parâmetros mais abstractos, incluindo o sentido de identificar os números, seguem a mesma linha da Lei de Weber-Fechner.
Mas, ainda assim, as análises brilhantes com sólida fundação matemática, não foram suficientes para resolver, por completo, o debate em torno da fórmula Weber–Fechner–Stevens. (Stanislas Dehaene, 2003)
3.3. Neuropsicologia
As experiências dos fisiologistas com macacos permitiram encontrar neurónios no córtex frontal e no sulco intra parietal que respondem a números, note-se que estas respostas neuronais seguem os mesmos princípios da Lei de Weber–Fechner. Os resultados das pesquisas de Nieder e de Miller confirmam as hipóteses que Fechner propôs 130 anos antes quando não existiam os meios técnicos de hoje. Assim sendo, optou por demonstrar a sua ideia através da experiência e da matemática, demonstração que actualmente é reforçada com as experiências neurológicas realizadas directamente sobre o cérebro . (Nieder & Miller, 2003)
3.4. Outras Aplicações da Lei de Fechner
A lei de Weber - Fechner é útil hoje em dia em vários domínios ligados à relação que existe entre estímulo e percepção sensorial, tais como: o princípio da resposta logarítmica do sistema vivo a um estímulo, a regulação do Diagnóstico, estudos de psicofísica visual e nos estudos dos vários sentidos, especialmente no sistema auditivo.

Conclusão

“Gustav Theodor Fechner é uma dessas figuras em que não se sabe o que mais admirar: se o homem, se a obra.” (António Caparrós, 1999)
Devido ao interesse e complexidade de toda a sua obra, foi para nós essencial debruçarmo-nos principalmente sobre a influencia de Gustav Theodor Fechner na Psicologia, nomeadamente a fórmula de medição (Lei de Weber-Fechner), os princípios da psicofisica e a aplicação destes princípios na actualidade.
Destronando a visão de Kant que vigorava no sec. XIX, onde o filósofo defendia que a psicologia não poderia ser considerada ciência, uma vez que era impossível medir ou realizar experiências com os processos psicologicos,e embora, as investigações de Fechner nao fossem desenvolvidas com o intuito de dar à psicologia o estatuto de ciência, o seu trabalho sobre os métodos de medição criaram as técnicas coerentes e precisas que W.Wunt usou para a fundação da Psicologia. .
Com a nossa análise tentamos evidenciar tanto a personalidade Fechner como também a sua impressionante obra, salientando o contributo do seu trabalho para o mundo científico de hoje. Fechner deixou uma enorme herança para a edificação da Psicologia como ciência, influenciando as investigações até aos dias de hoje tanto no domínio da Psicologia Experimental como também noutras áreas científicas.
Bibliografia

Boehlich, W. (1990). The Letters of Sigmund Freud to Eduard Silberstein. Cambridge, MA: The Belknap Press of Harvard Univ.

Caparrós, A. ( 1999 ). História da Psicologia. Lisboa: Plátan

Dehaene, S.(2003). The Neural Basis of the Weber-Fechner Law: A Logarithmic Mental Number Line, Trends in Cognitive Sciences.

Fechner, G. T. (1860). Elemente Der Psychophysik . Leipzig: Breitkopf und Härtel

LassWitz, K. (1896) . Gustav Theodor Fechner . Stuttgart: Frommann

Schultz, D. P. & Schultz, S. E. (2007). História da Psicologia Moderna. São Paulo . Editora Thomson.8ª Edição.

Fechner, G. T. (2001). In Wikipedia. Consultado em 15 Maio,2011 de http://pt.wikipedia.org/wiki/Gustav_Theodor_Fechner

Fechner, G.T. (2008). In Newworldencyclopedia . Consultado em 30 Maio,2011 de http://www.newworldencyclopedia.org/entry/Fechner